Caso não encontre sua dúvida, entre em contato.

 
1Perguntas e dúvidas!!!
Responderemos aqui as duvidas mais comuns de nossos pacientes.
2O Que é Hipnose?
A hipnose é um conjunto de elementos específicos e naturais da mente, que produzem diferentes impactos, tanto físicos quanto psíquicos. Esses fenômenos poderão ser induzidos ou autoinduzidos através de estímulos provenientes dos cinco sentidos, sejam eles conscientes ou não. Dentre os fenômenos específicos (descritos no texto Hipnoterapia) da mente produzidos na hipnose, podemos citar a Regressão de Idade. Esse fenômeno acontece na medida em que o paciente regride para uma idade do passado tendo essa como presente, ou seja, se voltar aos seus 5 anos de idade, ele achará que realmente tem 5 anos. Se nessa época viveu algo traumatizante, o objetivo do terapeuta é fazer o manejo desse fato, buscando uma ressignificação, proporcionando ao paciente novas experiências, ou seja, novas aprendizagens com objetivos de buscar a solução, buscar a mudança.
Portanto, esses elementos produzem diferentes impactos tanto físicos como psíquicos. Físicos como no caso da catalepsia que é um enrijecimento de um membro do corpo, ou a anestesia de um local do corpo. Impactos mentais como a amnésia ou hipermnésia. Esses poderão ser induzidos pelo hipnoterapeuta ou autoinduzidos, no caso da autohipnose ou mesmo no treinamento autógeno, que é um autorelaxamento. A indução ocorrerá através de estímulos provenientes dos cinco sentidos, pois qualquer estímulo pode induzir um dos fenômenos hipnóticos, e estes podem se manifestar por qualquer um dos sentidos.
Nesse diapasão e, para finalizar a definição, disse que esses estímulos podem ser conscientes ou não, isso porque nem sempre o estímulo é percebido, tanto pelo hipnoterapeuta como pelo paciente. As vezes no cotidiano temos uma hipermnésia sobre uma viagem que fizemos há alguns anos, porém não identificamos o que desencadeou essa lembrança. Muitas vezes o terapeuta buscará provocar um fenômeno e fará uma comunicação específica para que este ocorra, porém essa comunicação poderá estar levando a um outro fenômeno que era inesperado. Isso porque existem diferentes formas de comunicação, como a direta, indireta, implícita percebida e a implícita não percebida.
Neste sentido, a forma como cada um responde aos estímulos apresentados é diferente, único e individual. Cada problema, doença ou dificuldade aparecerá por motivos diferentes em cada paciente, e por isso a necessidade de um tratamento individual, sem regras e sem padronizar o ser humano, descartando a idéia de enquadrá-lo em técnicas prontas, dando a impressão que todos tem os mesmos problemas pelos mesmos motivos.
3Por que Hipnose?
Um número imensurável de pessoas vem descobrindo a hipnose de uma forma cada vez mais lúcida e inteligente. Isso porque, esse conhecimento tornou-se científico, sustentado pelas centenas de experimentos espalhados pelo mundo, os quais demonstram comprovações arrebatadoras. A hipnose passou por altos e baixos durante muitos séculos, ofuscada pelas brumas do charlatanismo, do misticismo, da mágica, do ilusionismo, que por vezes acabou por criar uma imagem deturpada desse modelo científico. Nesse rumo, não há como impedir ou evitar a força de uma idéia, de um conhecimento, quando seu tempo de florescer chega, assim como não se pode impedir a primavera de mostrar sua beleza. Creio que a hipnose seja esse corpo teórico e prático a florescer, a gerar frutos. É tempo de julgar a hipnose pelo presente, pelas possibilidades futuras e, não mais pelo passado. Assim como o homem, a hipnose também evoluiu, e é por isso que consegue chegar a lugares na mente, que consegue resultados, que por vezes não conseguidos de outra forma. A hipnose é uma ciência humana, pois, os fenômenos hipnóticos são humanos, estão mais presentes em nosso cotidiano do que imaginamos. O que se faz na hipnoterapia, é utilizar todo esse ferramental em favor do paciente. O mesmo conjunto de instrumentos que foi utilizado para "criar" um problema, é utilizado pra arquitetar a solução. A hipnose alcança níveis inconscientes, morada de nossa vida psíquica, é onde tudo acontece, é onde a hipnose atua. Devemos salientar e lembrar que a hipnose não é um conjunto de possibilidades milagrosas, e sim, uma forma de enxergar o ser humano sob um prisma diferente, mais transparente talvez. Quando se consegue chegar no núcleo gerador de um problema, fica mais fácil reverter, ou possibilitar uma solução. A hipnose possui um conjunto de técnicas e conteúdos extremamente eficazes, sob a tutela de grandes pensadores. Na hipnoterapia cada individuo é único, não é o paciente que se adapta à técnica, mas sim a técnica que se adapta ao paciente. Por isso consegue resultados tão rápido. O humano atual, vive a era da velocidade, a hipnose acompanha esse movimento, dando suporte a este indivíduo adaptado a seu tempo.
4A Sessão de Hipnose
Quando um procedimento terapêutico se inicia, há algo importante que precisa ser levado em consideração: o fato de que estamos diante de um ser único e com diversos recursos internos. Por mais vastas que sejam as semelhanças entre os humanos, a interação que fazemos com o mundo e outros é única. Por isso a terapia deve ser feita sob medida para cada paciente. Precisamos conhecer o genérico, mas aplicá-lo no específico. Sabemos que todos temos a capacidade de focalizar nossa atenção, mas cada um focalizará por motivos diferentes, e que quando focalizamos numa idéia específica ou objetivo, fica mais fácil realizar. Por meio da sugestão, as mudanças vão ocorrendo, voluntária ou involuntariamente. Vejamos então, como se dá o processo de atendimento de um paciente, do início ao fim de uma sessão ou do tratamento em si. Anamnése: iniciamos a primeira sessão pela anamnése, que é a história de vida e a história do problema do paciente. Dependendo das questões a serem trabalhadas, o inquérito será diferente. Crenças, valores, o ambiente em que viveu, sonhos, expectativas, medos. Diferentes informação que auxiliam para um melhor diagnóstico para o problema apresentado. Diagnóstico: Este, nada mais é que a identificação das possíveis causas que levaram o paciente a desenvolver o problema ou dificuldade, e isso é feito a partir de uma observação da realidade individual e única do paciente, isto é, a história de vida do paciente colhida por ocasião da anamnése, falada ou emitida por meio de comportamentos durante a sessão. Aprendizagens necessárias: O paciente chega com uma história de vida, com formas de pensar já estabelecidas e com aprendizagens adquiridas no decorrer da sua vida. Muitas vezes acaba por criar enumeras armadilhas para si mesmo, que envolvem medos e culpas, com isso não consegue se desvencilhar. Os pensamentos e aprendizagens acabam por envolver sentimentos de dor e tristeza. Por vezes o problema vem como um pedido de socorro da mente e do corpo, para que providências sejam tomadas em relação à vida que o indivíduo esta levando. Faz-se necessário novas formas de pensar, novas aprendizagens que trarão novas experiências de vida. Que possibilitem formas de pensar mais lúcidas frente a tudo o que permeia sua vida e que está lhe provocando sofrimento. O hipnoterapeuta deve ter claro quais sãos os pensamentos e aprendizagens necessárias à mudança do paciente, ou seja, a superação do problema. Estratégias: todos sabemos que a imaginação é mais forte que a vontade, o que Coué já havia percebido. Quando queremos fazer algo, mas não nos achamos capazes, imaginamos o que de pior poderá acontecer, acabamos por não realizar, por mais que queiramos. Atravessar um rio que não ultrapassa seus tornozelos é relativamente fácil, e poderá fazer tranquilamente. Mas se tiver que atravessar um rio profundo, largo e com correnteza, talvez possa imaginar que não irá conseguir, que a correnteza o carregará, o que torna a travessia perigosa; podendo o levar a morte – um risco que você não quer correr. É que você não ganha nada em atravessar o rio, não têm nenhum benefício. Mas imagine que está fugindo de um bandido que quer lhe matar. Ou talvez, tenha como motivação ganhar alguns milhões, se atravessar o rio. É ai que uma simples sugestão de atravessar o rio, adicionada a uma paixão/emoção (medo), ou a alegria de conquistar, acabará por potencializar a sugestão, criando um motivo mais forte para concretizar a ação. É a lei do mais forte, da emoção mais forte. Por certo isso pode e é utilizado o tempo todo e, claro, no ambiente terapêutico, estrategicamente de forma sutil, servirá para motivar o paciente na resolução de seus problemas, cura se sintomas e doenças. Indução: depois de traçar as estratégias, o hipnoterapeuta iniciará o processo de indução, com o objetivo de levá-lo a manifestar fenômenos hipnóticos e, por meio deles realizar a intervenção. Intervenção: quando vamos trabalhar com as dificuldades do paciente, é preciso fazer de forma cuidadosa, uma aproximação gradativa. Por isso utiliza-se uma comunicação mais indireta ou mesmo paralela, parte-se de um ponto distante e então vai-se aproximando. Com isso, é como se desse tempo do paciente se preparar, se fortalecer para ouvir o que precisa ouvir e fazer o que precisa ser feito. A elegância, a sutileza na comunicação são traços marcantes na hipnoterapia ericksoniana ou moderna. Antes de pedir para que alguém ande de uma certa forma, é preciso ensiná-lo; antes de pedir para que elabore certa tarefa, é preciso ensiná-lo, dar-lhe recursos para tanto. O mesmo ocorre no processo terapêutico: possibilitar as aprendizagens necessárias para que o paciente possa mudar ou superar. Obtendo assim o resultado desejado.